Blog

Corrida Maluca é de Peugeot para promover seu novo carro

Para promover o novo Peugeot 208 a montadora, em pareceria com a agência Y&R, lançou uma superprodução que utiliza os personagens do desenho mais famoso da Hanna-Barbera: a Corrida Maluca.

No comercial, o carro acaba entrando no meio da Corrida Maluca e passando por diversos desafios trazidos pelos personagens enquanto demonstra os atributos do carro, como o teto solar, a troca de marcha pelo volante e sua estabilidade. A campanha está de acordo também com a assinatura do modelo “Dentro dele é outro mundo”.

Gostou
França Exibe “As Aventuras de Pi” com Botes ao Invés de Poltronas

“As Aventuras de Pi” é um filme baseado no livro “Life of Pi” de Yann Martel e dirigido pelo diretor Ang Lee e conta a história de um garoto indiano que sofre um acidente de navio com sua família quando eles se mudavam da Índia para o Canadá. Ele e alguns animais do zoológico de seu pai são os únicos sobreviventes e ele é obrigado a dividir o bote salva-vidas com esses animais selvagens, inclusive um tigre-de-bengala chamado Richard Parker.

Visando trazer mais realismo ao filme para os espectadores, a agência Ubi Bene criou quatro sessões especiais na Piscine Pailleron, na França. Foram colocados 26 botes salva-vidas na piscina e os espectadores recebiam, ainda, um colete salva-vidas. A exibição do filme foi em 3D numa tela de 15m x 8m, nem tão grande, porém, a grande sacada da ação é a incrível cenografia desenvolvida pela agência que realmente faz com que o espectador se sinta dentro do filme, numa experiência única e inesquecível. Veja abaixo o vídeo case:

Livro Porcelana
Hey, guys!
Esse ano eu tive o prazer de manter a parceria com a autora Géssica Marques, e o melhor, a edição fisica de Porcelana será lançada em breve! O livro vai sair pela Young Editorial e já está disponível em pré-venda na loja da editora. Para quem ainda não conhece, segue as informações sobre o livro, assim como o link para adquiri-lo.

Dimensões: 16×23
Páginas: 220
Categoria: Ficção/ Hot + 18
ISBN: 978-85-5695-027-7
Preço: R$ 29,99
Sinopse: Nos corações dos habitantes de Centralia, vivem superstições que só poderiam existir em seus mais profundos pesadelos, ou na sombria floresta que cerca toda a cidade, um fato em que todos temem acreditar. Com a proximidade do Rubrum Luna, a cidade fica agitada com seus novos visitantes, que além de turistas, podem acabar fazendo parte do banquete principal. Com planos de assumir seu tão desejado lugar junto a corte dos vampiros, Violet Demons se depara com seu tenebroso passado, fazendo com que suas habilidades mais sombrias e poderosas venham tomar parte de sua personalidade. Morte e luxúria não são suficientes para descrever os desejos de Violet.

“Violet é uma personagem sexy, envolvente, forte e determinada. Tem tudo o que quer na palma da mão e não se deixa abalar por nada, ou pelo menos era o que ela pensava. Com uma brusca reviravolta na vida da personagem, a autora Géssica Marques nos mergulha em um mundo com seres místicos brigando pela dominação do nosso mundo. A única certeza que você terá lendo “Porcelana” é que a obra lhe fará soltar diversos suspiros de alegria, medo e de… Prazer.” – Tabatha Cuzziol, Blog e Canal Floretizas

“Um romance gótico de tirar o fôlego. A escrita da Géssica é simplesmente viciante, nunca vi ninguém escrever tão bem cenas quentes e olha, isso é o que não falta em Porcelana. Violet Demons é uma vampira sexy, dona de si e que impressiona o leitor por seu lado feminista, afinal, ela quer provar o seu valor para a corte vampírica de todo jeito. A mulher é uma protagonista sensacional! Estou apaixonada pelo enredo criado pela autora. É maravilhosamente sensual, único e arrebatador.” – Kate Willians, autora dos livros Distopia, A fada madrinha, Hunter e Debaixo das minhas asas. 

“Porcelana é uma mistura perigosa entre o mito do vampiro e a contemporaneidade. É cálido, sexy e envolvente.” – Michelle Pereira autora do livro Guardião do Medo.

Bem, é isso pessoal. Aguardem por Porcelana, pois essa história merece ser admirada! Beeeeijos!
Como assim eles não vão ficar juntos?
Em uma história, seja ela romance ou não, sempre vão ter interações que envolvem certo romance. E ai nascem os shipps, que podem se realizar ou não, mas o fato é que a gente se ilude e torço pro casal ficar junto. Hoje eu separei um tempinho para listar os meus casais favoritos, que não tiveram um final muito bom.
Na minha listinha estão apenas couples que realmente não tem nenhuma chance de ficarem juntos no futuro, ou seja, terá spoiler. As séries citadas serão Smallvile, One Tree Hill, Gossip Girl, Revenge e Teen Wolf, com exceção da ultima listada, todas estão finalizadas, então já deixo o aviso. Vamos lá!

Revenge | Daniel e Emily / Amanda

Irei começar essa lista com o casal que me inspirou a fazer esse post, depois de ver umas fotinhos dos atores, que felizmente estão juntos na vida real. Josh Bowman e Emily VanCamp iniciaram o relacionamento quando ainda atuavam juntos em Revenge, interpretando os personagens Daniel Grayson e Emily Thorne / Amanda Clarke.
Sinopse da série

Quando Amanda Clarke era criança seu pai foi preso sob a acusação falsa e injusta de terrorismo, sendo julgado e condenado à prisão, onde acabou sendo assassinado. Após alguns anos, Amanda – usando o nome Emily Thorne – volta aos Hamptons para se vingar das pessoas que destruíram sua família e causaram a morte de seu pai. Amanda sente que teve a vida destruída por essas pessoas que armaram contra seu pai, fazendo com que ela passasse sua infância no reformatório, uma detenção juvenil. Quando completou 18 anos, ela foi solta, mudou sua identidade e recebeu a herança de seu pai, além de uma caixa contendo detalhes sobre as pessoas que arruinaram a vida deles. Seu principal alvo é Victoria Grayson, matriarca da família Grayson, que amou e traiu seu pai.

Para conduzir seus planos de vingança, Emily se aproxima e seduz de Daniel, o herdeiro dos Grayson. Ao desenrolar da trama vemos Daniel e Emily se transformam e um casal complicado, porém apaixonante. Mesmo depois que Daniel descobre as intenções de Emily – e dele acabar escolhendo apoiar sua família – eu ainda torcia pelo casal. Foram momentos muito complicados da história e os personagens acabaram se distanciando ainda mais. até que perto do fim, acabamos perdendo Daniel. Eu realmente não consigo superar o fato de que quando ele finalmente iria se tornar o personagem digno que sempre acreditamos que ele era, o coitado acaba morrendo, para salvar Emily. Quer amor mais lindo? Vamos chorar um pouco com essa cena:

Smallvile | Chloe e Clark

Smallvile é uma série marcante da minha infância/adolescência, antes mesmo de eu saber o que era uma série americana, lá estava o SBT panfletando a série do menino Clarke aos domingos na TV. E enquanto todo mundo torcia por Clark e Lana ou Clark e Louis, eu estava aqui, curtindo a friendzone que a Chloe tinha se metido.

Sinopse da série

A chuva de meteoros que caiu em “Smallville” (Pequenópolis na dublagem brasileira), causou destruição, mortes e diversas alterações na vida de muitos moradores, sobretudo, na vida do apaixonado casal Jonathan e Martha Kent. Após terem o caminhão que dirigiam atingido por um meteoro e desmaiarem, acordam com um lindo garotinho diante deles. O casal que é impossibilitado de gerar filhos, percebe que o pequeno saiu de uma espaçonave e resolve assumi-lo como filho, chamando-o de Clark. Os Kent têm uma vida como uma família normal e feliz, eles lutam de todas as formas para evitar que o segredo do filho seja descoberto.

A melhor amiga de Clark tornasse uma das personagens mais apaixonantes da série, Chloe mostra bravura e lealdade, além de vários outras qualidades que só uma verdadeira heroína tem, mostrando assim o quanto ela e Clark fariam um casal incrível. O que nunca aconteceu na série, onde ambos permanecem melhores amigos, formando casais com Louis Lane e Oliver Queen. Tá, eu fiquei contente da Chloe ter ficado com o Oliver, mas não vou superar o fato dela e Clark nunca terem realmente dito uma chance de crescer amorosamente.

One Tree Hill | Brooke e Lucas

Eu já citei esse casal aqui em “Coisas da minha adolescência”, assim como a série, esse foi um dos meus casais favoritos naquela época. Brooke e Lucas, intitulado de Brucas, foi um dos casais mais bem desenvolvidos e apaixonantes da trama, contando com o amado triangulo amoroso envolvendo Peyton, melhor amiga de Brooke.
Sinopse da série

Nathan e Lucas são dois meio irmãos que só tem em comum o pai Dan Scott e o dom para jogar basquete. Nathan foi criado como o queridinho do papai e sempre teve de tudo, ele é ídolo do time de basquete e o garoto mais popular da escola, enquanto o solitário Lucas foi criado por sua mãe Karen e pelo tio paterno Keith, com muita dificuldade e, apesar de ser um excelente jogador de basquete, só joga por diversão. O destino faz com que as vidas dos dois se cruzem e Lucas tem a chance de jogar novamente no time do colégio, o que provoca a raiva de Nathan e do seu pai que não quer que nada ou ninguém venha atrapalhar a trajetória profissional que ele sonhou para si no passado e agora traçou para o seu filho. A disputa entre os garotos não vai ser apenas pelo controle da quadra de basquete, mas também pelo amor da bela Peyton, uma líder de torcida e atual namorada de Nathan.

Assim como Josh e Emily (Revenge), o casal saiu das telinhas para a vida real, mas não acabou muito bem. Chad Michael Murray (Lucas) e Sophia Bush (Brooke) se casaram na vida real, mas meses depois acabaram se separando, o que consequentemente separou o casal nas telinhas e o afastamento de Chad da série. Lucas acabou ficando com Peyton e Brooke encontrou um novo amor, mas o casal ainda é marcante e sinceramente não sei por qual termino eu sofri mais #sad

Gossip Girl | Dan e Serena

Talvez eu não tenha uma opinião tão forte sobre esse casal, mas sim sobre o final da série. Eu não cheguei a assistir todas as temporadas, por que simplesmente perdi a vontade. Mas procurei saber o final, pra matar a curiosidade sobre quem era a blogueira por trás do Gossip Girl.
Sinopse da série

Após passar um ano estudando fora por motivos misteriosos, Serena van der Woodsen (Blake Lively) está de volta em Nova York. Seu retorno agita o Upper East side, onde vivem os jovens mais privilegiados da cidade, como a sua melhor amiga, Blair Waldorf (Leighton Meester), o namorado de Blair, Nate Archibald (Chace Crawford), e ainda Chuck Bass (Ed Westwick). Enquanto lida com os problemas com a mãe, Lily van der Woodsen (Kelly Rutherford), e o irmão, Eric (Connor Paolo), Serena irá começar um relacionamento com Dan Humphrey (Penn Badgley), um garoto de um mundo completamente diferente.

Claro que Chuck e Blair são um casal muito mais chamativo e bem construído que Dan e Serena, mas realmente fiquei surpresa com o final, não com o fato de Dan ser o Gossip, e sim dele ter ficado com a Blair. Fala sério, eles não combinavam em nada. Não entendo muito como aconteceu isso, já que no enredo eles eram o casal principal. Não fez muito sentido pra mim, mas né, aconteceu.
[UPDATE: Eu tava errada, o casal fica junto! Obrigada as leitoras que comentaram me informando direito, como eu disse, não vi o final, apenas me foi citado que eles teriam ficado com outros pares. Perdão pelo erro~]

Teen Wolf | Scoott e Allison

Certo, Teen Wolf está em sua temporada final e ainda temos metade da temporada pra assistir, mas sabemos que não tem mais chances para Scott e Allison. O casal se desfez pela inevitável saída da atriz Crystal Reed (Allison Argent) da série, mesmo que antes, o casal tenha rompido, preparando os fãs para  fim da personagem de Crystal.
Sinopse da série

O jovem Scott McCall (Tyler Posey) é estudante do ensino médio no colégio fictício de Beacon Hills e vive como um garoto comum, passando por problemas naturais da juventude. Ao ir caminhar na floresta em busca de um suposto corpo morto, o menino é mordido por um lobisomem. Nos dias seguintes, Scott logo nota as mudanças em seu corpo e nos seus sentidos, concluindo que tornou-se um lobisomem. Ele se esforça para esconder de seus colegas a nova característica, com exceção do melhor amigo Stiles Stilinski (Dylan O’Brien), da namorada Allison Argent (Crystal Reed) e do companheiro Derek Hale (Tyler Hoechlin), com quem conta para enfrentar a nova fase.

Como em Teen Wolf não há muitas maneiras de voltar a vida, infelizmente não há muitas chances de Scott e Allison reencontrarem seu relacionamento antes do final. Mais um casal lindo que não vai ficar junto, pra aumentar a bad, fiquem ai com a morte da Allison:
Depois desse post, fica claro a minha mania de shippar errado, né mesmo? É difícil, mas vou levando. E vocês, quais casais de séries vocês torceram para ficarem juntos e não rolou? Comentem ai!
Beeeijos!
Felicidade Incurável, Carpinejar
Felicidade Incurável é o mais novo livro de crônicas do escritor Fabrício Carpinejar, lançamento de Julho do Grupo Editorial Record pelo selo Bertrand Brasil, o livro me cativou pela sinceridade da simples felicidade.
Apesar de ser apaixonada por poesia e crônicas, eu nunca tinha lido nada do Carpinejar, um senhor autor, que traz a poesia no nome e em cada letra de seus escritos. E Felicidade Incurável veio para me mostrar isso e alegrar minhas leituras.
Informações

Título: Felicidade Incurável
Autor: Fabricio Carpinejar
Ano: 2016
Páginas: 272
Categoria: Crônicas;
Editora: Bertrand  Brasil
Classificação: ★★★★
Skoob | Compre: Amazon | Submarino | Saraiva

“Um amigo fez um porta-retratos com nossa foto para colocar em sua escrivaninha. Eu me senti mais do que amigo, mais parte de sua família. Foi o maior presente que ele me ofereceu. Foi uma distinção pessoal”

Queria começar a resenha com esse quote, por ser um dos meus favoritos, e por mostrar como o autor trouxe de forma singela e simples, os sentimentos e os transmitiu na escrita. Felicidade Incurável  é aquela reunião de momentos verdadeiramente únicos, mas também é como um guia de relacionamentos, das mais variadas formas, motivados pelo amor.

As crônicas são um grande bate-papo, onde o autor tenta de maneira sensível e aberta,  nos convencer de seu ponto de vista, como uma conversa longa sobre a vida e as relações e laços pessoais.
São mais de 100 crônicas com assuntos diversos, dentre  eles família, romance, amizade e todo tipo de relacionamento, em muitos, com tom poético.

“O apocalipse iminente gera a salvação. O paraíso previsível gera acomodação.”

A forma poética como ele descreve os relacionamentos e faz com que o leitor se identifique com as situações, agrega um valor único a leitura. Mas quando alguns assuntos se estendem por muitas páginas, torna a leitura um pouco prolongada demais.

Enfim, o leitura é linda e cativa o leitor, mas há um prolongamento em temas, o que pode ser  ruim ou não, depende do leitor. Eu recomendo a leitura, a edição está linda com essa capa, e a diagramação é bem simples e confortável a leitura.

Quem gosta de crônicas, já pode ir correndo comprar! Mas e ai, vocês já leram esse livro? Comentem o que acharam e se concordam com o que falei!

Beeeeijos!
12 Histórias Brasileiras

E o novo ano finalmente começou! E com ele novas perceptivas e é claro, novos projetos! Já havia um tempo que eu estava com vontade de participar de algum desafio literário, mas não consigo me identificar e tentar completar algum, geralmente o motivo disso é a preguiça mesmo.
Então eu resolvi fazer uma lista com temas baseados no que eu queria ler esse ano, e percebi que uma boa parte dos autores da minha lista, são nacionais. O que é algo que não era tão comum a uns 5 anos atrás, que se eu muito lia, um ou dois nacionais na vida. Encachei uma coisa com a outra e ai está, #12HistóriasBrasileiras é um projeto que eu proponho, não só pra mim como para todos vocês
A Estranha Mente de Seth – Primeiras Impressões

Olá!

No final de semana retrasado eu iniciei a leitura de A Estranha mente de Seth e dei continuidade no final dessa semana, eu estava meio sem tempo e acabei não escrevendo as primeiras impressões antes, mas estou aqui e vamos nessa!

A Estranha mente de Seth nós trás aos tempos do Império, pouco antes da Primeira Grande Guerra. Seth R. é um jovem extremista, um pensador que vive entre aulas matinais na faculdade e noites de treino numa sociedade clandestina e assassina em Vojerasa.

“O agricultor não podia pagar todos os tributos ao seu senhorio, e por isso precisou arranjar um novo trabalho. Para aumentar a penúria, veio a desgraça. De seus oito filhos, somente dois restaram e chegaram à idade adulta. Ó que grande loucura!” Trecho retirado da música Ó que Grande Loucura do caderno perdido de Seth R.

De início já percebemos e nos habituamos a personalidade analítica e particularmente conturbada de Seth, jovem de 19 anos que não aceita ser controlado pelo império, ele quer algo maior, ele quer ser grandioso. Nos capítulos que li, percebe-se que a autora fez um ótimo trabalho dando entendimentos aos sentimentos e vontades de Seth, antes de inserir mais sobre a Face Negra, organização anarquista no qual ele é participante ativo.

O livro é baseado em fatos reais, em sua busca pela historia antiga a autora se encontrou Mary Saint, uma professora de Literatura da grande Faculdade Freiknort a qual lhe cedeu uma tradução das ultimas páginas do diário perdido de Seth R.

Cada página nos instiga a adentrar ainda mais na mente de Seth, um livro para amantes da História! Estou correndo para terminar de lê-lo!

Promoção: Concorra ao livro autografado (Post participante, porque não sou boba).
Esclarecimento da autora e mais sobre o lançamento do livro.
Clique aqui para comprar o livroE aqui para saber em que historia o livro é baseado.

B
Crítica do Filme TALVEZ UMA HISTÓRIA DE AMOR – Avaliação

A maioria dos fãs repugnantes antecipam energicamente uma estreia da classe nos cinemas e se animam com títulos que parecem enervantes, horríveis e cheios de impactos. Genética, o primeiro componente do chefe Ari Aster, é uma coisa alarmante, mas se abstém do costumeiro.

Com Toni Collette no elenco, o filme persegue a família Graham, que após o falecimento da matrona, começa a sofrer com terríveis acidentes e começa a encontrar insights privilegiados perpetuamente enervantes sobre seus progenitores. Quanto mais eles encontram sobre o passado, mais eles se esforçam para se desfazer do destino horrível e desanimado que adquiriram. Confie em mim, o título do filme é em certeza uma divulgação extraordinária sobre a história.

Segurando-se rapidamente na “nova ganância”, isto é, na pessoa que se abstém de cair no óbvio, o filme equivale a filmes como The Witch, Run! O que é mais, um lugar tranqüilo, que descobrir como congelar sem falar para pânicos definitivamente conhecidos, normal para tais filmes e deixando o observador inquieto com tiros simples, mas eficazes.

Aster gerencia a cultura religiosa reconhecível, Aster descobre como incorporar pequenas reviravoltas ao longo do enredo, fazendo com que os choques do filme sejam descobertos no minuto correto para alterar o curso da história. É o ponto em que ele prevalece no que diz respeito a atrair a concentração para o filho mais velho da família, Peter (Alex Wolff), que, apesar da remoção a princípio, se transforma em um personagem crítico para o resultado da trama.

Apesar de pequenas imperfeições, o conteúdo da Hereditariedade, da mesma forma composto por Aster, é preciso quando descobre o que veio. Seguindo a possibilidade deste novo tipo feito para o medo, o elemento tem uma corrida menos extraordinária, reservando uma pequena oportunidade para descobrir suas armadilhas e capturar o observador. Isto, combinado com o desejo do mais surgido ou efetivamente recebido com o medo convencional, pode produzir uma fadiga específica e torná-lo diante do olho a olho longo como um “filme de sangue e vísceras”. Em qualquer caso, a última demonstração garante o ajuste para qualquer descontentamento que surja em meio à trama, esclarecendo e amarrando cada uma das pontas intencionalmente deixadas em seu percurso.

Collette mostra sua flexibilidade imaculadamente. Sobre a chance de você dar uma olhada em sua filmografia, a artista performática já experimentou comédias como Little Miss Sunshine e a francesa Madame em andamento, mas também denotou sua profissão como Lynn Sear, a mãe de Cole em The Sixth Sense, um destaque entre os filmes mais vitais para a classe. Em Hereditária, novamente com medo, ela vive Annie com responsabilidade agregada e descobre como se mover como uma mãe frenética pelas vidas dos jovens. Como ela, a jovem personagem Milly Shapiro na tela faz sua apresentação nos cinemas e não desilude. Como quase um herói, o jovem de 15 anos interpreta um personagem encantador de extrema importância para o filme.

De fato, mesmo com uma questão efetivamente tendida, os interesses executivos com os outros dão uma olhada no assunto. Com referências claras de Rosemary’s Baby e The Exorcist, incríveis obras de arte assustadoras, o filme permanecerá como verdadeiramente notável de seu tipo, particularmente por seu método de contar uma história aterrorizante. Genetic vem demonstrar que tonificá-lo para baixo seria o melhor e que não é necessário exigir uma luz estridente ou executores sequenciais para perturbar adequadamente.

Crítica do Filme HEREDITÁRIO – Avaliação

A maioria dos fãs temerosos antecipam ansiosamente a estreia da classe nos cinemas e se animam com títulos que parecem assustadores, perversos e cheios de impactos. Inato, o primeiro componente do executivo Ari Aster, é uma coisa surpreendente, mas se livra do costume.

Com Toni Collette no elenco, o filme persegue a família Graham, que após o falecimento da matrona, começa a suportar com horrendos contratempos e começa a encontrar insights privilegiados sempre enervantes sobre seus precursores. Quanto mais eles encontram sobre o passado, mais eles tentam se livrar do destino terrível e conturbado que adquiriram. Confie em mim, o título do filme é na verdade uma revelação incrível sobre a história.

Aderindo ao “novo horror”, isto é, a pessoa que se abstém de cair no auto-evidente, o filme é equivalente a filmes como The Witch, Run! também, A Quiet Place, que descobre como congelar sem falar com pânicos definitivamente conhecidos, normais para tais filmes, além de deixar o observador inquieto com fotos simples e produtivas.

Aster gerencia a cultura religiosa reconhecível, Aster descobre como inserir pequenos contornos de trama por todo o enredo, fazendo com que as maravilhas do filme sejam descobertas no minuto correto para alterar o curso da história. É o ponto em que ele prevalece no que diz respeito a atrair a concentração para o filho mais velho da família, Peter (Alex Wolff), que, apesar da separação a princípio, se transforma em um caráter imperativo para o resultado da trama.

Apesar de pequenas imperfeições, o conteúdo da Hereditariedade, adicionalmente composto por Aster, é exato quando descobre ao que veio. Seguindo a possibilidade deste novo tipo feito por medo, o componente tem uma corrida menos excepcional, reservando uma pequena oportunidade para descobrir suas armadilhas e capturar o observador. Isto, combinado com o desejo pelo mais apressado ou recebido oficialmente com o temor costumeiro, pode produzir um cansaço específico e torná-lo antes de muito próximo e pessoal como um “sangue e sangue”. Em qualquer caso, a última demonstração garante o ajuste para qualquer descontentamento que surja em meio à trama, esclarecendo e amarrando cada uma das pontas intencionalmente deixadas em seu percurso.

Collette exibe sua flexibilidade sem falhas. No caso de você dar uma olhada em sua filmografia, a personagem na tela tem experimentado comédias como Little Miss Sunshine e o francês Madame em andamento, mas também denotou sua vocação como Lynn Sear, a mãe de Cole em The Sixth Sense, um destaque entre os filmes mais imperativos para a classe. Em Hereditária, mais uma vez em pavor, ela vive Annie com dever agregado e descobre como se mover como uma mãe urgente para as vidas dos jovens. Como ela, a jovem personagem Milly Shapiro faz sua apresentação nos cinemas e não se frustra. Como quase um herói, o jovem de 15 anos interpreta um personagem magnético de extrema importância para o filme.

De fato, mesmo com uma questão oficialmente cuidada, o chefe cativa com outra pessoa para dar uma olhada no assunto. Com referências claras de Rosemary’s Baby e The Exorcist, incríveis obras de arte de horror, o filme permanecerá como verdadeiramente notável de seu tipo, particularmente por seu método de contar uma história surpreendente. Herdado vem demonstrar que seria melhor enfraquecê-lo e que não é necessário exigir uma luz bruxuleante ou executores sequenciais para irritar de maneira viável.

Crítica do Filme OS INCRÍVEIS 2 – Avaliação

Além disso, a Vespa é uma extraordinária paródia, supera o filme primário e mesmo sem o apelo e estilo dos Guardiões da Galáxia ou Thor: Ragnarok, descobre como ser um filme incrível para dar sidaas com super-heróis. O executivo Peyton Reed apoiou tudo para o principal homem inseto, por exemplo, humor e atividade inventiva. Também que a Vespa provoca uma medida considerável para tornar este filme algo extremamente divertido.

Por uma questão de primeira importância, não espere que o filme prossiga com o enredo de Vingadores: Guerra Infinita, depois de todo o tempo antes de Thanos estalar os dedos e matar metade do universo. É tudo menos um spoiler, já que é no resumo autêntico da Marvel, que demonstra o que ocorreu com Scott Lang (Paul Rudd) após a Guerra Civil, com a lenda sob a captura da casa na esteira de ajudar o Capitão América e seus companheiros na Alemanha.

Em qualquer caso, isso não significa que o filme ignora o que ocorreu no universo dos filmes da Marvel, afinal a cena principal dos pós-créditos alcança as revelações dos Vingadores 4. Pense nessa última cena como o que encabeça uma coisa boa depois de um decente sessão de experiência e cachos de snickers.

Da mesma forma que o homem inseto primário subterrâneo, que é aparentemente o filme MCU mais leve na medida do enredo e tom, o spin-off mantém essa força e agarra a louca vez das forças de Scott e faz isso enquanto ainda faz atividades incríveis cenas, constantemente brilhantes. O erro está no domínio quântico, a minúscula medida eletiva em que Janet van Dyne (Michelle Pfeiffer) foi evidentemente pega há muito tempo. O filme investiga quase nada desse lugar e, depois do doutor Strange, a cena subatômica pareceu um tanto tediosa, por mais prazerosa que fosse.

Curiosamente, tanto Ant-Man e Vespa têm um significado semelhante no filme, Hope dá qualidade e apelo ao filme, uma vez que a necessidade de salvar sua mãe perdida dá à história um peso entusiástico extremamente próximo de casa e garante inúmeros recursos para a Evangeline Lilly. , que ainda tem incríveis batalhas e trocas.

Claro, Michael Pena está incluído mais uma vez, no entanto, é o pequeno Abby Ryder Fortson que assume a cena, mesmo como Cassie. Seu charme e associação com Scott superam os espectadores, nada mais simplesmente mede seu fascínio. É fascinante que até mesmo Randall Park possa brilhar no ingrato trabalho do especialista do FBI Jimmy Woo, que parece quase nada, apesar de rir de cada espírito.

Enquanto a vida baixa de Ghost é fascinante e pode ser um rival incrível, seu trabalho acaba sendo extremamente superficial durante todo o filme, apesar do fato de que ela definitivamente não é uma grande traidora nas histórias de filmes da Marvel, que agora é algo para ser grato por si mesmo. O equivalente vale para Walton Goggins como Sonny Burch, um criminoso que aparece de forma confiável na época em que as lendas vão cuidar de seus problemas. O artista performático é magnético e seu caráter cria interesse, mas a maneira como ele aparece, mesmo nas condições menos favoráveis, é um componente de conteúdo míope e dispensável. Felizmente, de qualquer forma, o personagem na tela faz grandes risadas quando está em cena.

É fascinante ver os dois scalawags novamente em cena em filmes futuros, no entanto, eles precisariam aparecer em mais profundidade e menos como envolvimentos convincentes do conteúdo.

A certeza é: Homem-Formiga E A Vespa percebe como influenciar uma risadinha e, além disso, investigar incríveis cenas imaginativas de atividade em sua trama, e ao longo destas linhas merece uma considerável medida de aclamação. O componente não traz nada novo de verdade, mas é ótimo ver algo leve depois da Guerra Infinita. Wonder Cinematic Universe indica por e em que ele percebe como alternar entre os tipos e tons, sem perder sua personalidade, uma equação de vitória para a Marvel Studios ao longo desses 10 anos de rua.